Buscar
  • Pelos Caminhos do RS

O poder da comunidade no Turismo Receptivo


*Abdon Barretto Filho – Economista e Mestre em Comunicação Social contato@abdonbarrettofilho.com.br
*Abdon Barretto Filho – Economista e Mestre em Comunicação Social contato@abdonbarrettofilho.com.br

Existem muitos estudos sobre o fenômeno turístico e o desenvolvimento econômico em vários lugares do mundo.

Observa-se que a estruturação da oferta turística exige o comprometimento da comunidade local.

Para alguns núcleos receptores, os problemas estão nos impactos ao meio ambiente; nas trocas sociais entre visitantes e residentes; nos choques culturais dos usos e costumes e nos retornos dos investimentos que são realizados.

Para outros núcleos receptivos, os visitantes qualificados podem contribuir nas soluções para o desemprego, aumentos das arrecadações de impostos e a melhoria da autoestima local.

Ainda existem cidades que podem atrair visitantes e nada fazem, esperando que alguém descubra seus atrativos.

São os exterminadores do futuro devido à ignorância pluralista, egoísmo e miopia mercadológica que não conseguem desenvolver parcerias fundamentais e indispensáveis para atraírem visitantes.

É obvio que é necessário a profissionalização para transformar atrativos turísticos em produtos turísticos e continuar os trabalhos na qualificação, promoção e apoio à comercialização: Planejar, Organizar, Dirigir e Controlar as ações para o desenvolvimento do setor.

Em alguns exemplos do setor público, é impressionante como ignoram as conquistas e legados dos governos anteriores. Infelizmente, com as mudanças frequentes nas Políticas sobre o Turismo, com decisões nacionais, estaduais e municipais conflitantes, em alguns casos, com presenças de neófitos inexperientes.

O resultado é uma série de indecisões e ausências de empreendedores e empresários que não cumprem conseguem cumprir seus importantes papéis na Economia do Turismo: investir, atrair visitantes, gerar empregos, pagar impostos e contribuir na busca da melhoria da qualidade de vida para todos. Será?

Logo, salvo melhor juízo, a comunidade local que compreende e valoriza o Turismo, não espera todas as iniciativas dos governos.

Criam, realizam e operam projetos privados demonstrando suas opções para o desenvolvimento local.

A partir das lideranças locais, com recursos locais e iniciam novos projetos.

No caso do Rio Grande do Sul, a Associação Amigos do Cristo de Encantado é um grande exemplo.

O monumento que tem o investimento estimado em 2 milhões, está sendo bancado exclusivamente por doações de pessoas físicas e jurídicas, com envolvimentos de arquitetos e engenheiros voluntários.

É o resultado da fé, união e vontade da comunidade local.

Os desafios vão continuar na Gestão do importante atrativo turístico e na sua infraestrutura.

Será?

Respeitam-se todas as opiniões contrárias.

São reflexões.

Podem ser úteis.

Pensem nisso


Textos e podcasts em www.peloscaminhosdoriogrande.com.br, www.cidadedegramadoonline e www.abdonbarrettofilho.com.br .