Buscar
  • Pelos Caminhos do RS

Em Camaquã, professor constrói réplica de barco usado na Revolução Farroupilha


Antônio Rodrigues gastou R$ 600 mil para recriar o barco Seival, usado por Giuseppe Garibaldi na tomada de Laguna (SC), um dos episódios mais marcantes da guerra travada no RS. Embarcação foi apresentada ao público em Camaquã, no sábado, 18 de dezembro.(FOTO: IGOR GARCIA/DIVULGAÇÃO | TEXTO: GUSTAVO FOSTER, FONTE: G1 RS DE 20/12/2021)



Em construção há dois anos e com um custo total de cerca de R$ 600 mil, foi apresentada no sábado, 18 de dezembro, em Camaquã, no interior do Rio Grande do Sul, uma réplica do barco Seival, usado por Giuseppe Garibaldi (1807-1882) durante a Revolução Farroupilha (1835-1845).


A iniciativa é um projeto ousado do professor Antônio Carlos Rodrigues que envolveu uma mudança de cidade, doações vindas da Itália e até acesso a um registro fotográfico raro da embarcação.


Para reproduzir a embarcação de quase 200 anos atrás, o professor se baseou em documentos históricos, em plantas de embarcações de Laguna e em uma fotografia do Seival original tirada em 1908.


A réplica pesa cerca de 15 toneladas e tem 15 m de comprimento, com largura de 3,8 m e altura de 3,2 m.


O novo Seival deve voltar ao estaleiro, onde receberá seu motor - característica, é claro, que o difere do barco original.


Daqui a uma semana, o professor Rodrigues pretende levá-lo à água pela primeira vez.



A embarcação começou a ser construída em dezembro de 2019, em um estaleiro improvisado na antiga sede dos bombeiros da cidade, e foi apresentada à população como parte das festividades de Natal em Camaquã, em evento realizado pela prefeitura no Complexo Poliesportivo Rui de Castro Netto, mais conhecido por Prainha.



Camaquã foi escolhida pelo professor, que é natural de Passo Fundo, porque textos históricos apontam que foi lá que os farrapos construíram o Seival e outro barco usado na tomada de Laguna, o Farroupilha.


"A ideia desse projeto tem 5 anos. Fizemos sem apoio institucional, do poder público ou de grandes empresas, eu que coloco a mão na massa. Faço pesquisa, busco materiais, pego nas ferramentas, tudo com apoio da família e de amigos", conta o professor.



Rodrigues contou com doações de amigos e familiares, além de um aporte vindo da Associação Garibaldina de Roma, na Itália. Para centralizar todos os interessados em ajudar na ideia, o professor criou a Associação Sócio-Ambiental Amigos do Seival (Asas).



Barco sobre rodas



Chamado à época de "lanchão", o barco Seival original é central em uma das passagens mais importantes da Revolução Farroupilha. Como o porto de Rio Grande estava fechado pelos imperialistas, os farrapos decidiram transportar duas embarcações - o Seival e o Farroupilha - por terra, com a ajuda de grandes carroças de madeira puxadas por centenas de bois entre Camaquã e Tramandaí.


A partir da Lagoa Tomás José, na altura de Imbé, os dois barcos passaram a navegar até Laguna.


O Farroupilha naufragou, deixando 16 integrantes mortos, enquanto o Seival, sob comando de Giuseppe Garibaldi, chegou ao seu destino - em episódio que culminou com a tomada da cidade catarinense pelas forças farrapas.



Museu itinerante



Com vela e motor, a embarcação foi construída com a ajuda do construtor naval Jader Pontes e é funcional - ou seja, tem toda a estrutura necessária para ser usada para meio de locomoção sobre a água.



A construção da réplica, no entanto, tem finalidade pedagógica. A ideia de Rodrigues é transformá-la em uma espécie de museu itinerante, contando a história da Revolução Farroupilha e, principalmente, sobre o episódio da tomada de Laguna.




*FOTO: ARQUIVO PESSOAL, PROFESSOR ANTÔNIO CARLOS RODRIGUES/ DIVULGAÇÃO.



"Queremos instigar a pesquisa da nossa história, principalmente na questão náutica. Durante a pesquisa, vimos a riqueza da história náutica farroupilha, que é intensa e apaixonante", avalia o professor.



Depois da apresentação do barco ao público, o professor agora se prepara para sair em turnê com seu museu itinerante.


A ideia inicial é visitar as cidades que fizeram parte do trajeto original do Seival e do Farroupilha.


Laguna, o destino final, receberá o novo Seival entre 12 e 20 de julho do ano que vem.


Pelo menos outras sete cidades tem data reservada para a apresentação do barco - a próxima é Barra do Ribeiro, em 20 de fevereiro.


Arambaré, Tapes, Cristal, Pelotas, Rio Grande e São Lourenço também já se preparam para a visita da embarcação.


Mas Antônio não é professor de História, como o interesse pelo episódio sugere.


Formado em Educação Física, ele tem um histórico de usar o transporte naval para abordar temas ambientais.


Em 2013, ainda em Passo Fundo, criou o Projeto Navegar com o Grupo Ecológico Sentinela dos Pampas, em que produziu embarcações com material reciclável em parceria com escolas públicas da região. Com esses barcos artesanais, viajou até Montevidéu, no Uruguai.


_____________________________


MAIS NOTÍCIAS SOBRE TURISMO, CULTURA, NEGÓCIOS E SERVIÇOS DO RIO GRANDE DO SUL?


ACESSE: www.peloscaminhosdoriogrande.com.br/noticias

CONTATO/WHATSAPP: 51. 9. 9855. 0051

____________________________